CEMIRDE AFLITA COM PRECARIEDADE DA VIDA DOS DESLOCADOS DE CABO DELGADO

CEMIRDE AFLITA COM PRECARIEDADE DA VIDA DOS DESLOCADOS DE CABO DELGADO

Por Gelácio Rapieque

A Comissão Arquidiocesana da Mobilidade Humana está preocupada com os deslocados da guerra de Cabo Delgado que vivendo em situações altamente precárias, podem contrair várias doenças, incluindo o coronavírus.

Como forma de se livrar do sofrimento provocado pelos ataques armados em Cabo Delgado, várias famílias daquele ponto do país, deslocaram-se para o posto Administrativo de Namialo, distrito de Meconta, província de Nampula, a procura de abrigo e melhores condições de vida.

Em Namialo, alguns deslocados vivem em casas de familiares e outas em campos de acolhimentos, onde chegam a se albergar entre dez ou mais pessoas em uma casa.

Esta situação preocupa a comissão que responde pelos deslocados e refugiados na Arquidiocese de Nampula, que neste momento teme que os locais de acolhimento sejam focos de transmissão e contaminação de várias doenças, com destaque para a COVID 19.

Segundo Charles Moniz, coordenador da Comissão da Mobilidade Humana de Nampula, mais do que o apoio em materiais de higienização e proteção, como máscaras e sabão, que a sua agremiação e outros estratos da sociedade ofereceram aos deslocados, para aqueles ainda é preciso garantir um abrigo, onde o distanciamento social seja uma realidade.

Charles disse que a sua comissão está igualmente com medo de que no meio de tudo isto, haja oportunistas, que usem a ocasião para fomentar o tráfico humano.

Estamos com medo de que existam pessoas a usar está crise para traficar outras pessoas. Por isso, chamamos a atenção de todos para sermos vigilantes contra os malfeitores”, disse.

Numa altura em que os números de casos positivos em Nampula continuam a disparar, o nosso entrevistado termina apelando a todos a cumprirem rigorosamente todas as medidas e regras de prevenção e combate ao coronavírus.

A comissão de mobilidade humana é um órgão da Igreja Católica ligada a acolhimento, proteção, defesa dos direitos dos emigrantes, refugiados e deslocados de guerra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *