CEMIRDE RECEIA QUE REFUGIADOS DE GUERRA SEJAM ALICIADOS PARA O MUNDO DO CRIME

CEMIRDE RECEIA QUE REFUGIADOS DE GUERRA SEJAM ALICIADOS PARA O MUNDO DO CRIME

Por Malito João

Com o elevado número de deslocados que chegam nesta Arquidiocese, a CEMIRDE em Nampula, está a recear que os mesmos possam ser vítimas do tráfico humano.

O receio foi manifestado esta quarta – feira, (16), por Padre Arlain Pie, Assessor Espiritual da CEMIRDE na Arquidiocese de Nampula, em entrevista a Rádio Encontro.

De acordo com Padre Arlain, os deslocados de guerra de Cabo Delgado, estão a passar por grandes riscos e necessidades, daí o seu medo é que os mesmos possam ser aliciados para o mundo do crime ou mesmo serem traficados.

Entretanto, o Sacerdote garante que a comissão está a trabalhar na sensibilização das comunidades para que estejam atentas com a situação.

A fonte chama atenção redobrada aos deslocados, para que se mantenham cuidadosos e vigilantes para que não caiam nas malhas dos traficantes e malfeitores.

ʺEstamos a passar mensagens aos deslocados sobre a necessidade de estarem vigilantes e não se deixarem levar por promessas banaisʺ. – disse Padre Arlain quando falava da necessidade de vigilância activa por parte dos deslocados de guerra de Cabo Delgado que continuam a chegar nesta arquidiocese.

Importa relevar que a CEMIRDE é um órgão social da Igreja Católica que vela pela recepção, acolhimento e acomodação dos refugiados e emigrantes.

Entretanto, a Arquidiocese de Nampula, através dessa Comissão já endereçou uma mensagem aos amigos e irmãos de Cabo Delgado que chegam a esta Província, fugindo dos ataques, a qual transcrevemos na integra:

ʺCaros amigos e Irmãos de Cabo Delgado que chegastes a esta terá de Nampula.

A Arquidiocese de Nampula deseja dar-vos as boas vindas.

Nem vos pensastes um dia chegar ate nos, nem nos de vos receber..

Chegastes nesta circunstancia triste que e a guerra nas vossas aldeias e distritos. Guerra que destruiu tudo aquilo que possuíam: as vossas casas, as vossas machambas, os vossos bens, as coisas preciosas da vossa vida, e pior ainda, que ceifou a vida de muitos dos vossos seres queridos.

Fugistes, correndo, deixando atras de vos, cinzas, ruinas, lembranças, lagrimas, morte… e tudo aquilo que tinha significado na vossa existência.

No vosso coração estão guardados sentimentos que nem se quer conseguis expressar: Dor, impotência, saudades… Só o silencio e as lagrimas dizem aquilo que sentis. Olhando-vos nos olhos, descobrimos corações feridos e rasgados.

Os cristãos de Nampula vos dizem: Bem vindos queridos irmãos.

Sim, sejam bem-vindos.

Vos sois nossos irmãos. Pois sois moçambicanos e imagem de Deus. Sois sofridos, por isso tendes o mesmo rosto de Jesus, nosso irmão mais velho.

Possais encontrar entre nos mais uma família e irmãos sinceros, que vos ajudam e apoiam, nestes primeiros momentos da vossa chegada.

Sabemos que alguns de vocês estão se apoiando entre familiares, outros conseguiram alugar uma casa, ou são acolhidos por pessoas bodosas, ou estão acomodados ao Deus dará.

A caridade dos irmãos de Nampula, através da Cáritas arquidiocesana tem manifestado a sua proximidade a cada um de vocês doando alguns produtos e coisas uteis para que possam recomeçar a vida. E a Arquidiocese esta em contacto com instituições do governo do Pais e internacionais para que o necessário não vos falte neste tempo de adaptação a nova realidade. Sobretudo faço votos que não vos venha a faltar o mais importante: A esperança e fortaleza nesta situação tão dolorosa da vossa vida.

Nos somos crentes de Deus que e pai e providente. Sabemos que estamos nas suas mãos misericordiosas. De facto, ouvimos essas palavras de Jesus tao consoladoras:Vinde a mim vós todos que estão cansados e oprimidos. Eu vos aliviarei. Orem todos os dias, encomendem-se a sua bondade. E quando as igrejas abrirem outra vez as portas, procurarem o caminho da Igreja e da comunidade.

Vos abraçamos de coração, irmanados pelo desejo de felicidade para cada um de vós.ʺ

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *