CLEMENTINA MARIA BARROS MORRE APÓS QUEDA NO POÇO

Clementina Maria Barros morre após queda no poço

Por José Simão

Mulher de 53 anos de idade morre depois de ter caído num poço caseiro no quarteirão 8 unidade comunal Paulo Samuel Kankhomba, bairro de Murrapaniua, na manhã de 2 de Janeiro em Nampula.

O caso até passaria despercebido se não fosse pelas circunstâncias narradas pelos familiares e vizinhos, que no mínimo são conflituosas o que faz questionar se foi um caso de suicídio ou acidente.

Dulcídio Barros, irmão da finada, narra que sua irmã teria saído pelas 2 horas da madrugada de quinta-feira (2 de Janeiro) para carregar água num poço caseiro na vizinhança onde viria a cair no interior do mesmo e contraído ferimento na cabeça.

“[…] Só que teve uma complicação, teve uma paragem cardíaca, conseguiram reanimar-lhe e… quando se pensava que tudo iria dar certo tornou a ter outra paragem cardíaca e dessa vez não se recuperou mais[…]”. Estávamos a citar palavras de um parente da malograda.

Questionado se a queda tinha a haver com alguma doença ligada com depressão ou tensão arterial este refutou dizendo que ela, apenas padecia de diabetes mas que vivia na sua normalidade.

Esta versão foi secundada por Aristides Ossufo, filho da malograda, testemunha ocular que teria acompanhado sua mãe ao hospital.

Ele acrescenta que a mãe apresentava depressão nos últimos dias, além de problemas crónicos de vista.

“Ela já não podia andar sozinha na rua, andava, dormia de repente, então, talvez ela não conseguiu gerir muito bem o problema” disse Ossufo.

A nossa equipa de reportagem dirigiu-se ainda para a residência onde encontra-se o poço em que a Clementina teria caído, onde conversamos com Paulo Ermelindo, uma das pessoas que ajudou na retirada da finada de dentro do poço.

“Foram os gritos dela que nos despertaram, meu sobrinho veio chamar-me… perguntamos-lhe como teria la entrado mas esta apenas pedia para que lhe tirássemos mas que não podíamos falar para ninguém o que estava a acontecer”.

Declarou a nossa fonte, que explicou que o poço foi encontrado com a respectiva tampa.

Clementina Maria Barros, deixa 2 filhos maiores de idade.

Importa referir que numa conversa não gravada, Aristides Ossufo disse que não havia balde, bacia, ou recipiente algum com a sua mãe na hora do incidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *