CORONAVIRUS E O TEMPO EM MOÇAMBIQUE

CORONAVIRUS E O TEMPO EM MOÇAMBIQUE

Por Esmeraldo Adelino

Coronavírus (COVID-19) é uma doença pandémica cuja origem é chinesa. Uma doença que assola o mundo todo.

Tempo do latim  (Lat. tempus) é a duração calculável das coisas, ou seja, sucessão de dias, horas, momentos e acontecimentos.

Moçambique é um país que se localiza no Continente Africano, na faixa da África Austral, fazendo parte dos países do terceiro mundo.

Quando começava a pandemia do Coronavírus, parecia uma brincadeira. As actividades continuavam sendo realizadas sem se parar e, tudo era quase normal. O tempo ia continuando nos seus habituais vaivéns, as pessoas, com pouco medo, falavam e comentavam sobre este fumo chinês mas, pouco tinham o cuidado.

Em Moçambique já vão três meses de Estado de Emergência. É o tempo que se foi e jamais voltará. Porém, destes três meses, uns tiveram e têm aproveitamento, e outros não.

No tempo, uma vez proclamado o Estado de Emergência, as pessoas casam-se, constroem, morrem, se matam como é o caso de Cabo Delgado, nascem, mentem, roubam, etc.

Com esta Pandemia, as escolas, igrejas, mesquitas, os bares e restaurantes fecharam de acordo com os decretos presidenciais.

Por conseguinte, devido a dureza de coração e cegueira de muitos, fazem do tempo um simples desperdício, cruzam os braços, e fazem petições àquele que proclamou o “ficar em casa” enquanto o mesmo se encontra em sofás de barrigas estateladas. Petições estas de “comida” de pronto consumo ou que requeira a sua preparação. Assim fazem em comparação dos países do primeiro mundo.

Meu povo! É o TEMPO de tirar a lama da cara! Eis o tempo propício para a restauração do modo de pensar, agir, e ver. É o tempo de chamar a “consciência à luz da consciência”!

Se é religioso, aprenda a fazer as suas práticas cultuais em casa!

O tempo sirva de oportunidade de ensino das virtudes um para com outro, de modo especial, eduque os filhos, sobrinhos e netos para que quando tudo isto terminar, não permaneçamos mesmas pessoas de antes desta doença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *