Crónica do Dia – Coronafome mata silenciosamente

Por Kant de Voronha

A fome deste ano passou dos limites habituais. Não há recorrência possível. A sua intensidade é mais perigosa que ninguém vê.

Quem só se fixa em olhar o fluxo de produtos alimentares na cidade de Nampula nunca vai perceber a realidade que se vive em muitos distritos. A mata de muitas aldeias esconde realidades tristes. Não choveu no ano passado de 2020 e não choveu nesta campanha agrícola. As forças esgotaram, e as pessoas morrem de coronafome.

A chuva que caiu até agora em muitos distritos de Nampula só aumenta as lágrimas dos camponeses. Para além da seca generalizada, as machambas não dão esperança. Muitos rios não têm água, as culturas agrícolas murcharam.

“Mano Kant, eu estou muito preocupado com a situação de fome aqui na minha zona – Netia. É muito triste a vida que se vive aqui. Pessoas se alimentam de Namuhekherekhe e ervas do mato. Os que têm alguma coisa somente se alimentam de farelo proveniente da cidade de Nampula que custa 600 meticais por cada saco de 50kg. Muita gente está a morrer de fome e anemia. Estou desesperado padre”.

À semelhança de Netia, muitos camponeses de Muecate, Mecubúri, Meconta, Monapo, Anchilo, Angoche, Mogincual, Liupo, Mogovolas, Ilha de Moçambique, Murrupula e parte de Lalaua, estão a passar momentos negros de coronafome. De tanto se alimentarem de Ntikwa, apenas, já o estômago entupiu e não conseguem fazer necessidades maiores. Há pessoas que recorrem matope do muchém para enganar a barriga, só para chegar no dia seguinte. É uma realidade dolorosa.

Enquanto apoiamos os deslocados de Guerra de Cabo Delgado devemos olhar também as vítimas de coronafome, são muitas, morrem no silêncio da sua miséria e nada podem. Quando se fala que a fome está matando em Nampula até alguns bem nutridos pensam ser boato. Mas o certo é que precisamos de uma campanha de solidariedade pelas zonas rurais, pelos camponeses e pelos esfomeados. A situação é deplorável. Por falta de água há muitas pessoas que esqueceram como se toma banho. A pouquíssima água que conseguem reservam para confeccionar ntikwa que também faz entupir o estômago. A quem recorrer? Como vencer esta situação? E mais não disse!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *