DOM MANUEL DA SILVA VIEIRA PINTO DEIXA MARCAS INDELÉVEIS

DOM MANUEL DA SILVA VIEIRA PINTO DEIXA MARCAS INDELÉVEIS

Por Florêncio Alfredo

Manuel Vieira Pinto, nascido em 9 de Dezembro de 1923 em Sanguinhedo, na Paróquia de Aboim, Conselho de Amarante em Portugal, morre aos 96 anos no país que lhe viu nascer. Manuel Viera Pinto torna-se Bispo da Diocese de Nampula entre os anos de 1967 onde veio a ser substituído em 2000 por Dom Tomé Makhwéliha.

Dom Manuel da Silva Vieira Pinto foi ordenado padre na Sé Catedral do Porto em 7 de Agosto de 1949, após completar os estudos no seminário da Diocese do Porto.

Dom Manuel da Silva Vieira Pinto embora fosse um português de raiz, foi uma figura que lutou afincadamente contra o fascismo colonial e com o seu espirito incansável participou nas negociações para colocar termo na guerra dos dezasseis anos.

Com os trabalhos notáveis e levados a cabo por Dom Manuel Viera Pinto, em ajudar os moçambicanos em várias situações, chegou a ser expulso do país pelo governo Português, onde volvidos alguns anos regressou para continuar com os seus trabalhos.

Entretanto, algumas figuras que falaram a Rádio Encontro sobre os feitos do Dom Manuel Viera Pinto, como por exemplo Gil do Rosário, referem que foi um homem humilde e que se preocupava com o bem-estar dos jovens.

Recordo-me das suas homilias como se fosse ontem, ele sempre dizia: temos que denunciar a justiça para que anunciemos a mesma,” lembrou-se Gil do Rosário para acrescente que foi um homem frontal e a sem rodeios, um pai para todos mas difícil de enumerar as suas qualidades, avançou Gil do Rosário.

Para Rosa Inguane, uma das pessoas que recebeu a primeira comunhão por ele, a tristeza é profunda, caindo lagrimas nos olhos por saber a triste noticia, simplesmente disse o seguinte:

“Manuel viera Pinto foi um homem de bom coração que transformava o impossível para o possível” avançou Rosa.

Ainda sob um olhar Dom Manuel Viera Pinto, Luciano Armando Tarieque, entende que falar deste homem é dizer tanta coia em volta de uma única figura, que abriu a mente do povo nampulense.

Sempre nas missas, Dom Manuel falava coisas que nos levava a nós jovens vocacionados a reflexão, lembro-me quando dizia o ser humano é comparado por uma planta ou passarinho qualquer mas não com uma pedra e acrescentava o seguinte o homem existe pela sua existência, com isto explicava aos jovens a buscarem a sua identidade cultural e histórica”, avançou Tarieque que na altura era vocacionado.

Para o Padre Carlos Constantino, Dom Manuel Viera é uma figura histórica da etimologia da diocese de Nampula e reconhecido a nível do País através dos seus trabalhos, embora perseguido na altura da Guerra colonial pela Policia Internacional de Defesa do Estado (PIDE), foi um indivíduo com muita garra e que fazia encontros com os animadores das igrejas em plena guerra do jugo colonial.

Na perspectiva do Padre Altino Cardoso, Dom Manuel Viera Pinto foi uma pessoa que marcou bastante a sua vida, visto que foi responsável pela sua ordenação sacerdotal. Na ideia do padre Altino, dom Manuel Viera Pinto criou e ficou em frente de muitos movimentos com destaque a construção do Centro Catequético de Anchilo, que serviu e serve para formação de algumas pessoas que dão e deram a sua vida para a igreja católica em Nampula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *