Crónica do Dia – EU REZO NO MEU QUARTO

Miyo kinlompa okatthí waka

Por Kant de Voronha

A descrença está domando o coração de muitas pessoas. Não é só pelo facto de reinar coronavírus. Embora esta pandemia tenha contribuído no abrandamento da torcida que ainda acendia.

Cresce o número dos que dizem e prezam rezar em seus quartos. Perderam o gosto de viver e celebrar a sua fé em comunidade. Perderam o sentido da vida que lhes mantinha ligados aos outros com vigor. As coisas do mundo roubaram o seu coração. Vivem servindo a carne e os seus desejos.

Porém, o desgosto e a amargura pela vida, a perda da comunhão com Deus produz consequências sociais adversas. Por um lado, vemos a multiplicação de comportamentos perversos, criminalidade de vários tipos e dimensões, drogados e embriagados sem limite, depressivos e estrassados que se multiplicam diariamente. Por outro lado, surgem pessoas que perderam o gosto pela oração. As suas atitudes revelam o quanto estão distantes de Deus, distantes dos outros, distantes de si próprios.

Não faltam agitadores que durante a vigência do Estado de emergência diziam ter saudades de ir a Igreja. Mas, paradoxalmente, abriram as igrejas e nunca metem os pés lá. Quando você pergunta eles simplesmente respondem: “eu rezo no meu quarto”. Perderam a dimensão comunitária da fé. E aos poucos perdem a essência da oração, ao ponto de caírem na descrença total.

A perda de foco de vida culmina com o crescente materialismo e consumismo que caracterizam as sociedades modernas. Não nos esqueçamos que quem matou Deus no seu coração não tem dificuldades de matar uma pessoa semelhante a si, não tem dificuldades de roubar e cometer outro tipo de crime.

Incentivemos os nossos concidadãos a decidir-se na vida. A escolher a sua religião, e a viver a sua fé também na sua dimensão comunitária. Juntos lutamos para a construção de uma sociedade cujos valores culturais, morais, religiosos e sociais buscam a harmonia de vida, a paz e o amor. E mais não disse!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *