Fome semeia luto em 8 familias na comunidade de Namwatto – Murrupula

Pedro cusse

As chuvas que caem de forma irregular são sentidas na pele e na alma, pois, para além de semear luto, a insegurança alimentar já começa a causar anemia e doenças atípicas um pouco por todo o distrito de Murrupula.

Nas comunidades por onde a Rádio Encontro passou, vozes clamam uníssono pedindo ajuda, pois, são crianças, mulheres e homens que passam fome diariamente, sem alternativas. As nossas fontes contam que para manterem o esqueleto em pé, recorrem as folhas de mandioqueira e a sua maneira passam as as sua refeiçoes, numa clara alusão que na luta pela vida tudo o que é cozido serve.

Estamos a passar mal por causa da fome. Para conseguirmos nos alimentar agente cozinha ntikwa sem quaisquer ingredientes, não tem homem, mulher ou criança. Todos estão a ficar anémicos devido a péssima alimentação. Os nossos corpos estão a ficar inchados” disse uma senhora que tinha a boca seca e o corpo desidratado, mas que se mantem presa a esperança de haver dia melhores.

Nesta cortina de poeira, não faltam testemunhos de pessoas que perderam os seus familiares por conta da fome, como é o caso de Amido Sabonete, que assistiu o seu irmão e tio a morrerem devido a fome numa comunidade pobre e isolada do mesmo distrito.

“Eu perdi meu irmão e meu tio e seus corpos foram a enterrar no domingo. Estamos mesmo a morrer de fome. É triste o que se vive aqui no distrito de Murrupula” lamentou Amido que no calor da emoção deixou escapar lágrimas de tristeza.

Angelo Tiago Caciel, secretário do bairro confirmou a morte de 8 pessoas por fome e aventa a possibilidade de existirem maisvitimas mortais em conexão com a fome naquela comunidade. “Este número é inferior, porque existem zonas que até agora não entregaram o relatório sobre essas mortes ” disse o secreatário.

Estes são apenas 8 de vários relatos de morte que se registam nas localidades, povoados e distritos da provincia de Nampula, tal como são casos dos refugiados de guerra de Cabo Delgado reassenatados em Corrane.

O director provincial da agricultura e pesca de Nampula, Ernesto Paculi, falando a jornalistas depois da realização da segunda sessão do governo provincial, negou existirem bolsas de fome nos distritos de Nampula alegando que o que existe ” são pessoas com pouco poder de compra, e existem pessoas que se calhar falha uma refeição ou outra mas, fome que fala de fome não existe porque os distritos de Nampula estão todos abastecidos” disse o governante.

Com insistência, o reporter fez exemplos dos distritos de Rapale e Murrupula onde os indices de fome são assustadores. Como resposta, o director disse ” bom, eu não posso precisar o que significa fome, mas na verdade, fome significa a existencia de insegurança alimentar na sua fase aguda e que provoca morte, isto é o que se chama fome. Agora em Murrupula há morte?” questionou Pacculi para quem a provincia de Nampula não tem problemas de fome generalizada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *