Motoristas detidos por participar greve da Associação dos motoristas de Moçambique

Por Elísio João

O Presidente da Associação dos Transportadores Rodoviários (ASTRA), Luís Vasconcelos, confirmou a detenção de pelo menos dois motoristas de longo curso que na manhã desta quarta-feira, (02.12), procuraram paralisar a circulação de camiões na cidade de Nampula, alegadamente por estarem a observar uma greve convocada pela associação dos motoristas de Moçambique.

A detenção ocorreu na zona de Muepelume, quando tentavam persuadir aos outros para aderirem a manifestação na via pública.

Para Luís Vasconcelos, a manifestação dos motoristas não deve ser feita na via pública, independentemente de ser legal ou não.

No seu entender, os motoristas deveriam manifestar-se nas instalações do seu patronato, para exigirem quaisquer que sejam os seus direitos.

“Não existe nenhuma logica que os motoristas façam greve na via publica, quando na verdade, o que exigem tem a ver com a entidade patronal” – defendeu Vasconcelos sublinhando que os motoristas que não concorda com algumas situações com o seu patronato devem ir manifestar diante do seu patrão, ou com quem celebrou o contrato de trabalho e não na via publica.

Luís Vasconcelos acredita que só assim, a inspecção pode fazer acompanhamento dos acontecimentos.

“Se fizerem manifestação na rua, como e que a inspecção vai agir” – questiona-se o presidente da ASTRA que não desvaloriza as exigências dos motoristas mas que insiste dizendo que o melhor local para reivindicarem e nas instalações do patronato.

Alguns motoristas que tinham a missão de fazer carregamento em Nacala porto, ficaram retidos na cidade de Nampula entre as 06 e 10 horas, com medo de os seus camiões serem vandalizados.

Falando a jornalistas, dois deles disseram que não conhecem as razoes da greve, uma vez que o contrato que eles celebraram com o seu patronado está a ser respeitado.

“Nós estamos a vir da Beira com destino a Nacala-Porto, onde vamos carregar contendores do nosso patrão. Quando chegamos aqui na cidade deparamos com essa situação, entretanto não sabemos o que se passa” – disse um motorista de uma empresa privada de transporte de carga.

Refira-se que a greve, de nível nacional, foi convocada pela Associação Moçambicana de Motoristas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *