PRM ABORDA LINCHAMENTO EM NAMUTEQUELIA

Por Elisio Joao

Um individuo escapou a um linchamento ontem na Unidade Comunal Miriam Mcuaby em Namutequeliua depois de ter sido neutralizado por populares, quando tentava tirar a vida a um cidadão na linha férrea.

O individuo que se fazia acompanhar por seu comparsa agora foragido, é acusado de pertencer a um grupo de criminosos que no mês passado, assassinou um Moto-taxista próximo do mercado do Nhacatha, na Memoria.

Conhecido na zona por Zacaneya, o individuo escapou ao linchamento graças a pronta intervenção da Policia que se fez ao local, altura em que os moradores pretendiam fazer a justiça pelas próprias mãos, por alegadamente estarem cansados de agressões e roubos mas suas residências.

Zacaneya e seus comparsas são acusados de protagonizar agressões na via publica com recurso a instrumentos contundentes durante anoite, assim como a assaltos em residências nos bairros de Namutequeliua e Memoria.

Há relatos segundo os quais a quadrilha na qual Zacaneya faz parte, é muito perigosa e que está a criar desconforto naquela zona.

Devido a esta situação, os moradores de Miriam Mcuaby e Memoria, perderam a paciência e exigem que a justiça seja feita, numa clara alusão de que Zacaneya e seus comparsas devem ser responsabilizados pelos seus actos.

“A policia deve fazer alguma coisa para que a nossa zona esteja a viver em paz. Esse grupo não merece conviver connosco. E uma quadrilha muito perigosa”:  – Disse um morador acrescentou dizendo que um maldoso deve ser responsabilizado pela sua maldade.

O Chefe do Quarteirão 7 na Unidade Comunal Miriam Mcuaby, Santos Luís, confirma as agressões e assaltos as residências na calada da noite e pede para que a Policia faɕa a sua parte para devolver sossego aos moradores dos dois quarteirões, porque segundo suas palavras, pessoas que criam instabilidade numa certa zona, devem merecer um certo tratamento. RM

Informações em nosso poder dão conta de que o indiciado criminoso foi conduzido a uma das Sob unidades da 4ª Esquadra da PRM, o que a nossa reportagem não confirmou, uma vez que chegado naquela Unidade, houve orientação de dirigirmo-nos ao Comando Provincial para falar com o porta voz da corporação, o que ate o fecho deste trabalho não aconteceu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *