CRÓNICA DO DIA

QUERO PAPAHI PARA ANO NOVO

Por Kant de Voronha

Amanhã é já ano novo ou novo ano. Muitas pessoas se preocupam em comprar roupas, comidas, objetos pirotécnicos, presentes, bebidas, etc. Se algumas pessoas amanhecerão em vigília, de olhos abertos desejosas de ver o novo ano nascer, outras são as que amanhecerão, igualmente, enchendo-se de álcool e ou planeando violências.

Ao novo ano o compromisso de cada cidadão é a edificação de um mundo mais humano, mais fraterno, mais pacífico, mais justo, mais harmónico, mais hospitaleiro, etc.

Mas nem todos terão a possibilidade de deliciar-se de iguarias e saborosos manjares. Pessoas há que passarão o dia em branco, sem sequer conseguir algo para enganar o estômago. Outros porém, encherão sua barriga até ficar empanturrados sem conseguir respirar a vontade. O mundo parece ser injusto. Muito desequilíbrio social e falta de partilha.

Ora, algumas famílias passarão o dia ao menos saboreando um papahi bem torrado acompanhado de caracata. Quão apetitoso é! Só por pensar nisso já começo a salivar. Mas de onde vem o peixe seco papahi?

O único mercado de peixe seco que é de referência na cidade de Nampula é o dos Belenenses, no bairro de Muhala. Bem ali, ao lado da feira dominical. Parece verdade quando se diz que “o que não mata, engorda”.

O mercado dos belenenses vende não só o papahi, como também diversas espécies de peixe seco incluindo o camarão, o nikusi, o peixe barba, e outras tipologias que ajudam a encher a barriga.

Mas esse peixe compra-se a meio de condições extremamente deploráveis. Sempre que cai chuva a lama e a imundície tomam conta daquele sítio. Infelizmente, alguns vendedores chegam de montar seu peixe sobre lixo nauseabundo que corta as narinas. Outros ainda vendem-no num lugar contemplando toda espécie de podridão. As moscas e outros bichos gordos vão passeando a sua classe, pousando sobre os peixes e partilhando suas bactérias. E onde está aquele vereador que há 5 meses prometeu a construção de algumas bancas? Será que nos belenenses há cobrança de taxas? Para que serve esse tako do povo? Não se esqueçam que “o nosso maior valor é a vida”. E mais não disse!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *