Rio Meluli mata 16 garimpeiros ilegais em Nakhwahu-Namaita

Por Elísio João

16 pessoas na sua maioria jovens morreram na madrugada de terça-feira, 13 de Outubro, arrastadas pelas águas do rio Meluli, na Comunidade de Nakwahu, Posto Administrativo de Namaita distrito de Rapale.

Os Jovens que praticavam garimpo no leito do rio Meluli foram surpreendidos por uma corrente de água, quanto dormiam nas respectivas covas.

Aventa-se a possibilidade de o número de mortos vir a aumentar, uma vez que fala-se de outros garimpeiros que são dados como desaparecidos e que as buscas continuam a partir do local onde foram arrastados.

A nossa reportagem que foi viver in loco esse cenário desolador, ouviu alguns jovens garimpeiros que sobreviveram da tragédia.

“Durante a noite estava a chuviscar e muitos de nós refugiamo-nos nas nossas covas, sem contar que a água do rio viria aumentar” – disse um garimpeiro explicando que os colegas que morreram tentaram fugir mas a força da água era maior.

Disse que continuaria a fazer o garimpo de ouro para arranjar dinheiro e regressar a sua proveniência, por sinal, o distrito de Mogovolas.

Carlos Sicula, perdeu um sobrinho, tendo encontrado o seu corpo na manhã desta quarta-feira, depois de muita procura.

A liderança local lamenta o sucedido e lança apelos no sentido de os jovens evitarem fazer-se ao rio Meluli para extrair ouro.

Joaquim Mário, um dos líderes falando à nossa reportagem disse que antes desse incidente, lançou vários apelos a desencorajar a prática de garimpo de ouro no leito do rio.

“Fizemos muitas campanhas de sensibilização para os jovens abandonarem este trabalho no rio, mas alguns não deram ouvidos” – disse o Cabo Joaquim Mário o qual fez saber que trata-se de primeira vez que acontece um cenário igual.

O director distrital das actividades Económicas de Rapale, Adelino Afonso Manuel, disse ter feito muito trabalho para se evitar esse desastre, mas que houve muita renitência.

“Temos este incidente que aconteceu depois de vários apelos que lançamos há já três semanas. As buscas vão continuar ao longo do rio Meluli e tudo indica que o número de mortos poderá subir”- lamentou Adelino Manuel.

O Inspector Chefe Provincial dos Recursos Minerais e Energia em Nampula, Adelto Cumbane, confirmou a morte das 16 pessoas.

“Eles tinham a Colômbia onde dormiam mas algumas vezes passavam a trabalhar mesmo de noite e outras pessoas dormiam nas suas escavações no leito do rio, com receio de vir alguém e ocupar a cova” – explicou Cumbane que disse ter certeza que algumas pessoas foram apanhadas de surpresa porque encontravam-se a dormir.

Adelto Cumbane disse ser difícil responsabilizar alguém numa ocorrência como esta.

“As pessoas que promovem o garimpo ilegal são as que dão o dinheiro para essa actividade, mas infelizmente quando há situações como essas, elas não aparecem. Por outro lado, achamos que há falta de domínio da legislação mineira” – argumentou o Inspector.

Muitas das vítimas são jovens que vinham dos distritos de Mogovolas, Mecubúri e Murrupula a procura de ouro que começou a ser extraído ilegalmente no Bairro de Nakwahu desde o mês passado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *