SENAMI EM NAMPULA REEMBARCA IMIGRANTES ILEGAIS

SENAMI EM NAMPULA REEMBARCA IMIGRANTES ILEGAIS

Por Elísio João

SENAMI recusa permanência em Nampula a Seis estrangeiros e os reembarca para seus países de origem por falta de visto.

Seis Cidadãos estrangeiros, sendo 3 Paquistaneses e 3 Nepalis, foram devolvidos hoje, Quarta feira, 27 de Novembro,  para os seus respectivos países através do Aeroporto Internacional de Nampula.

Os seis estrangeiros foram recusados a permanecerem no solo pátrio, na última segunda feira, pelo Serviço Nacional de Migração – SENAMI de Nampula, depois de terem sido detectados que não reuniam condições para tal, no Aeroporto Internacional de Nampula.

A Porta Voz da Direcção Provincial de Migração de Nampula, FláviaMaziquimbe disse que constituem motivos dessa recusa a falta de um visto nos seus passaportes e que os motivos por eles arrolados não são claros para escalarem o nosso país a partir do Aeroporto de Nampula.

Alguns deles, alegam que entraram em Moçambique para pesquisar oportunidades de negócio, mas que isso não aparece escrito em nenhum dos seus documentos.

“Para eles entrarem no nosso Pais, deviam primeiro procurar as autoridades, para efectuarem um pedido de visto, dependendo do motivo que lhes iria trazer a Moçambique”. – Disse Flávia Maziquimbe, que acrescentou dizendo que  – “Isto mostra o quão o Serviço Nacional de Migração em Nampula, está a fazer com afinco o trabalho de fiscalização em colaboração com outras Forças de Defesa e Segurança, no controlo dos pontos de entrada e saída”.

Com esses cidadãos, soma para 28, o número de estrangeiros recusados e devolvidos para os seus países, este ano, pelo Serviço Nacional de Migração a partir de Nampula, para além de terem sido repatriados 50, contra mais de 100 estrangeiros de diferentes países no ano passado.

Flávia Maziquimbe garantiu a jornalistas que estão a ser reforçados os recursos humanos e materiais nas fronteiras marítima, terrestre e aérea, durante a quadra festiva, por se considerar um momento de muita circulação de pessoas e bens.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *